4 dicas para não falar merda sobre a Inquisição

Padrão

Big-Cup-of-Shut-The-Fuck-Up_o_94445

1. Palavras devem corresponder exatamente às ideias às quais se referem

BLASFÊMIA é uma ofensa feita diretamente contra Deus. Bandas satanistas muitas vezes escrevem letras blasfemas, mas o mesmo não ocorre necessariamente com uma denominação religiosa que, só porque não é a sua, você acusa de blasfemar, sem nem ao menos conhecer o significado do verbo.

HERESIA ocorre quando uma pessoa, sendo cristã, professa uma doutrina contrária à ortodoxia da religião que ela diz praticar ou em nome da qual ela se diz representante. É basicamente uma forma de hipocrisia e, muitas vezes, de má-fé. Leonardo Boff e Frei Beto são dois hereges, mas o conceito não se aplica a Karl Marx ou Adolf Hitler, por exemplo. Continue lendo

Anúncios

Olavo de Carvalho e a Gnose

Padrão

Olavo Astrólogo

Uma das ideias mais defendidas por Olavo de Carvalho, a qual faço forte oposição, é a falsa noção de que a experiência original da realidade não pode ser transposta em conceitos, não pode ser intelectualizada com precisão. Sempre se vai perder algo daquilo que se conheceu por contato direto, porque a capacidade humana de compreender é constitutivamente falha. Logo, existiria um abismo intransponível, sem pontes, entre o ser humano e a realidade em si -em última análise, entre ele e si mesmo.

Ora, em outras palavras, isso quer dizer que a razão humana não pode entender a realidade. Transposta ao plano teológico, tal conclusão se opõe ao realismo moderado (inclusive ao aristotélico), que afirma ser possível ao homem, pela análise do mundo natural, chegar ao conhecimento de Deus. Dessas duas premissas seguem três conclusões inevitáveis: a) a realidade só pode ser conhecida por Revelação, b) existe um mal congênito no homem e, c) Deus não pode ser objeto de ciência. Tudo puro ceticismo. Relativismo mitigado. Continue lendo

Pílulas Crônicas 5.0

Padrão

Roceiros

* Soube recentemente que o Boko Haram quer converter todo mundo ao Islamismo dizimando 2000 pessoas na Nigéria e explodindo garotinhas indefesas em prédios. Uau! E eu que pensava que religião tinha que ser aquela coisa chata de ir a uma igreja se confessar e ficar rezando; pelo visto existe um culto mais descolado que segue as últimas tendências do nosso frenético mundo contemporâneo.

* Quando eu jogava GTA San Andreas e matava todo mundo que não fazia minha vontade, mal podia adivinhar que estava mais próximo de Deus. Claro. Apenas uma mente iluminada alcançaria tal revelação. Continue lendo

Soma Zero de Schrödinger

Padrão

Vampira

No antigo Egito, a deusa Bastet, antes de ter se transformado em bebedora de leite, era a deusa-leoa Sekhmet, que havia dizimado parte da humanidade. Por ironia, Bastet era considerada a representante divina do Sol, o astro que aquece e dá vida. O mais curioso ainda é constatar que os egípcios a consideravam também a guardiã dos mundos do pós-vida. Em suma, qual é a gata que havia na cesta? Lembra por demais a lenda de Pandora, a qual, por seu turno, é uma metáfora de uma humanidade devotada ao Tédio e à Destruição, e sequiosa de Vitae como um carniçal tenebroso.

Continue lendo

A Prudência Debilóide da Malandragem

Padrão

debiloide

Tem gente que acha que ser solícito e previdente é sinônimo de ser otário e cricri. Jesus se sacrificou no calvário porque, no fundo, era “um otário” -diria o mau ladrão. Bom mesmo é fazer o que quiser, como apregoava o distinto (pela safadeza) Aleister Crowley! Bom mesmo é beber vinho, comer a mulherada e gastar muito dinheiro! E o resto que se foda…

Seguindo o espírito de jegue dos “gênios” da malandragem, o “jeitinho brasileiro”, adaptado a nossa realidade, vai dizer que bom mesmo é construir casa próxima à margem do rio ou em cima de barranco. Afinal, a gente não paga IPTU e, se der zica, a gente põe a culpa na Prefeitura, que deve zelar por nosso bem, ou no próprio Deus, por motivo semelhante.

O Estado brasileiro é como uma mãe abastada de 10 filhos que fica controlando cada mínimo detalhe da vida de suas crianças. E o grande mal da maioria dos brasileiros mimados pelo Estado Super-Nanny é acreditar que, se o mundo não gira em torno de sua pessoa, tem alguma coisa de errado. Com o mundo, é claro.

Continue lendo