Do adultério, divórcio e poligamia (e outras porcarias)

Padrão
Briga de casal

Amor é aquilo que acontece por intuição imediata. O famoso “à primeira vista”. Em outras palavras, se você não sabe dizer de imediato que deseja passar 50 anos ao lado da pessoa, então esqueça.

Muita gente vai dizer que estou sendo excessivamente “sensual” na minha definição. Que um casal de idosos pode se amar tanto quanto um casal de jovens. Que o amor deve ser um compromisso “espiritual”. Ora, mas uma coisa não exclui a outra, e ambas podem corresponder inclusive a etapas de um mesmo processo. Se assim não fosse, seria muito comum um jovem de 20 anos se apaixonar por uma idosa de 70 -e não é isso o que acontece.

Continue lendo

4 dicas para não falar merda sobre a Inquisição

Padrão

Big-Cup-of-Shut-The-Fuck-Up_o_94445

1. Palavras devem corresponder exatamente às ideias às quais se referem

BLASFÊMIA é uma ofensa feita diretamente contra Deus. Bandas satanistas muitas vezes escrevem letras blasfemas, mas o mesmo não ocorre necessariamente com uma denominação religiosa que, só porque não é a sua, você acusa de blasfemar, sem nem ao menos conhecer o significado do verbo.

HERESIA ocorre quando uma pessoa, sendo cristã, professa uma doutrina contrária à ortodoxia da religião que ela diz praticar ou em nome da qual ela se diz representante. É basicamente uma forma de hipocrisia e, muitas vezes, de má-fé. Leonardo Boff e Frei Beto são dois hereges, mas o conceito não se aplica a Karl Marx ou Adolf Hitler, por exemplo. Continue lendo

URSA: da Fraude ao Auto-engano

Padrão

Obama comunista

Eu vejo muita gente como baratas tontas, adotando perspectivas contraditórias em relação ao que acontece na sociedade americana e no mundo. E não me surpreendo nem um pouco com sua confusão mental. Nem com o movimento labiríntico do Ocidente (eu diria de “labirintite”).Tudo isso faz parte de um plano gestado há mais de um século e continuado por intelectuais picaretas, mentes geniais e perversas

Para início de conversa, se você acredita mesmo que o status quo da “sociedade ocidental” é perverso e injusto, então eu sinto muito em lhe informar que você se encaixa perfeitamente na definição de idiota útil. Continue lendo

O Bom e o Mau Selvagem

Padrão

Folk Metal

Uma das razões pelas quais eu não acredito em darwinismo é a seguinte: tente jogar um homem dentro de um zoológico em que todos os animais estão fora das jaulas. Dê-lhe um prato com aquele bife steak americano. Observe. Não precisa ser um gênio da biologia para chegar a uma conclusão razoável, ainda que se dê margem a outras probabilidades. Infelizmente (ou não), o mito do Tarzan pertence mais à literatura fantástica do que ao mundo real. Continue lendo

A Ancestralidade do Novo

Padrão

M. Duchamp, por D. Hirst

Uma impressão que sempre tive dos outros é que alguns deles sempre quiseram saber de mim como consigo ser tão original. Nunca me disseram, é verdade, mas sempre tentaram afetar excentricidade para me chamar a atenção. Bem, eu não sabia que eu era “original”. Desconfio que sei. Mas me parece que há uma certa convicção disso entre aqueles que juram ter visto o que nunca viram antes… Eu diria que são criaturas peculiares… assim como nossa época de instantâneos.

A resposta que eu lhes dou é a seguinte: basta não fazer força. Continue lendo

A Casa de Cera

Padrão

Ken Humano

Sexta-feira última eu voltei da missa de Corpus Christi e foram logo me contando o que parecia ser a notícia do século, dada a euforia. O retorno de Jesus!? Não, o “Ken humano” havia falecido… Eu perdi o “babado”, que pecado! Preferi escutar a homilia de um bispo.

Quanto à criatura eminente, não quero fazer críticas pessoais ao pobre diabo, recém-falecido; vamos nos ater aos fatos. Parece que o sujeito havia contraído melanoma em razão das inúmeras cirurgias estéticas que fizera. Pois bem, o que me admira não é saber que cirurgias feitas sem critério causam câncer; qualquer um com bom senso sabe disso. O que me admira é imaginar o estado de sua bunda, depois de tantos procedimentos.

Continue lendo

1968, o embuste que não terminou

Padrão

1968

Se a celebração das seis décadas de existência do Estado de Israel vem consistindo essencialmente em culpá-lo por todo o mal que lhe fazem e em desejar com fervor a sua morte próxima, a dos 40 anos das rebeliões estudantis de 1968 não tem feito outra coisa senão tomar como realidade, a priori e sem o mínimo exame crítico, a auto-interpretação lisonjeira que seus líderes fizeram desse movimento na época da sua eclosão. Continue lendo