Ateus vs. Razão (round 3)

Padrão

1. Existe um “evolucionismo dirigido”? Existe um meio de conciliar evolucionismo com cristianismo?

R: Não. Não existe um “evolucionismo dirigido”. Isto é, se por “dirigido” entendermos aqui a alusão a uma interferência direta e contínua do Deus cristão numa suposta narrativa evolucionista do universo. Existem muitas razões pelas quais isso não seria possível, mas basta apenas uma para me dar respaldo: se aceitássemos que o universo estaria em evolução, teríamos que admitir, como cristãos, que Deus também estaria e, em última análise, que Deus seria um princípio imanente na natureza, se confundindo com ela. Por que isso é incompatível com a religião cristã? Porque um Ser perfeito, ou seja, um ser contendo em si todas as qualidades, não poderia criar um universo à “Sua imagem e semelhança” se esse mesmo universo não refletisse Sua perfeição; se Deus “evoluísse”, já não seria mais Deus e cairia por terra toda e qualquer vertente criacionista, necessariamente anti-materialista.

2. Por que Deus teve tanta pressa quando esteve na Terra, mas, uma vez nos céus, custa a nos socorrer?

R: Por que Ele é bom? É curioso notar como Ele teve pressa por nos redimir (a custo de Seu próprio sofrimento, diga-se de passagem…), mas tem parecido não ter pressa alguma para nos julgar, levando-se em consideração o “prazo decadencial” para o  Juízo Final…

E Ele não custa a nos socorrer. Tanto é que enviou o Espírito Santo em nosso auxílio, para corrigir nossos erros e purificar nossas almas. Isso não quer dizer, naturalmente, que não tenhamos que carregar nossas cruzes, como o Mestre, em razão do ódio de Seus inimigos.

3. Se Deus é onisciente, Ele não pode ser onipotente.

R: É a primeira vez que vejo este argumento utilizado nesse contexto, mas ainda assim de fácil refutação: se Deus sabe do futuro que Ele, na Sua onipotência, vai realizar, mas logo muda de opinião sobre como vai ser esse mesmo futuro, Ele não poderia ser onisciente, uma vez que, se o fosse, teria que ter considerado, já na primeira previsão, uma mudança de opinião e, consequentemente, no primeiro futuro imaginado. É argumento semelhante ao “paradoxo do avô“, só que às avessas.

Eu gosto quando os ateus abandonam suas aleivosias bíblicas e adentram no território do silogismo propriamente dito. Assim, derrotados no âmbito que eles mesmos reivindicam para si (a razão, a ciência), sua vulnerabilidade se torna mais evidente. Vamos às obras então…

Primeiro, é preciso destacar que Deus “vive” numa espécie de presente contínuo. O que seria isso? De certo, é difícil de se visualizar, porque nem nós vivemos no “presente” propriamente dito; o “presente” é uma abstração; uma vez apreendido pela consciência, o “presente” já se tornou passado. O “presente” é veloz como a Luz.

E por que o presente seria veloz como a Luz, tomada aqui como sinônimo de Deus por causa da inicial maiúscula e da inapreensibilidade? Porque somente o presente, pura abstração, nos diz sobre a real existência, tendo em vista que tanto o passado quanto o futuro se referem, a rigor, unicamente à imaginação sobre dados vivenciais, este mais do que aquele. O presente só seria alcançável pela razão absoluta, pela perspectiva extática da existência enquanto tal, pela perfeição de alguém enquanto ser racional.

Ora, somente Deus é perfeitamente inteligente e divisa tudo de uma perspectiva privilegiada, estando Ele além das quatro dimensões (inclusive do tempo). De modo que, se pudéssemos fazer uma correlação com a matemática, somente Deus seria aquele matemático capaz de (re)elaborar, em Sua mente, numa velocidade de presente contínuo, a equação do universo e resolvê-la ao mesmo tempo, sabendo quais seriam os resultados admissíveis em relação ao Ideal (o Ser) e quais não seriam, independentemente dos elementos “variáveis” (o homem e seu livre-arbítrio). Para simplificar: na partícula mínima de tempo em que você pudesse pensar e, dessa forma, interferir no destino, nesse mesmo período Deus já teria reelaborado os cálculos e previsto os resultados, expressos como “Um” ou “zero”, “Ser” ou “não-Ser”. Isso nos autoriza a afirmar a onipotência divina.

Mas é claro que as reflexões anteriores excluem o futuro do âmbito da ciência divina. Mas isso porque o futuro não é um dado, não existe, não pode ser processado racionalmente como CIÊNCIA por uma suposta ONISCIÊNCIA. O futuro é uma conjectura, não uma realidade. Somente os dados do presente contínuo existem, porque, afinal, são as variáveis possíveis para a obtenção do resultado ao qual deve corresponder a equação cósmica, que, de forma até irônica, nada mais é do que esses elementos todos mesmos, só que plenamente livres das hipóteses e cônscios de si, equalizados em/ com sua essência! Dessa forma prefigura-se  a onisciência divina.

A esse respeito, a física quântica tem trazido valorosas contribuições, assim como a teoria da relatividade e a “física da viagem no tempo”(lembrando que não sou físico formado, apenas um apreciador amador desta ciência). Mas, voltemos ao assunto…

Você já imaginou qual seria seu destino se você não pudesse se arrepender de um erro cometido? Se Deus soubesse de um único futuro, predeterminado, como Calvino mais ou menos alegava, o pecado forçosamente conduziria ao inferno e o livre-arbítrio seria uma mentira. No entanto, sendo Deus um presente contínuo e o ser humano uma criatura autônoma, seu “final” poderia ser reelaborado em caso de arrependimento. Assim é que o Julgamento se dá sempre com base no estado instantâneo do réu, diante de Deus, apresentado nos autos ademais como uma existência “independente”, ou seja, incoagível.

Anúncios

7 comentários sobre “Ateus vs. Razão (round 3)

  1. 1) Atirou para todos os lados e não afirmou a sua resposta seja direto , criacionismo evolutivo ou fé fundamentalista.Um não sustenta o outro saiba disso.
    2)Mais uma desculpa como a que os discípulos deram , quando perceberam ele não voltaria em uma geração mesmo o tendo prometido.
    3)Ele mesmo já admitiu que cria seres destinados ao inferno , resumindo ele realmente já sabe de tudo.E olhando a onipotência por outro ângulo seria deus capaz de criar algo indestrutível ? Caso possa não pode ser onipotente pois ele mesmo não teria como destruir tal objeto , e caso pudesse não seria onipotente por criar algo além de sua capacidade.

  2. Doctor Butcher

    1) É claro que fui direto. “Evolucionismo dirigido” ou “criacionismo evolucionista” -qual a diferença? É tudo a mesma merda. E provei por A + B que isso é uma crença impossível. Ou não está implícito que não creio no impossível? Ah, esqueci que a retórica ateia aceita essa premissa -não por acaso, a maior parte de vocês (senão todos) é evolucionista…
    Quanto a mim, sou católico. Sabia que católicos são católicos?

    2) Ilumine minha ignorância: cite o trecho.

    3) É verdade, Ele admitiu manipular variáveis para equilibrar a equação.
    Chegou à conclusão de que Ele é onisciente?! Nossa, como vocês ateus mudam rápido de ideia!! Deve ser a “evolução dirigida” em ação… Nesse caso, eu creio!
    Sobre Ele criar algo indestrutível, sei bem aonde quer chegar. Mas saiba que o universo é Seu reflexo, não o Seu ser -ou seja, nada O impede de o fazer.

  3. 1)Que coisa saber que o mundo tem 6 mil anos e diamantes e petróleo levam milhões de anos para se formar certo ? Quero ver como isso se encaixa na sua fé católica.
    2)
    Marcos 13

    30 – Na verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas aconteçam.

    ————–
    Mesmo não dizendo hora e lugar ele afirma uma geração

    Lucas 9

    27 – E em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte até que vejam o Reino de Deus.

    —————–
    Ele reforça dizendo que as pessoas que o ouviram ainda viram o fim do mundo.

    João 21

    22 – Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu.

    ============
    Reforça que vem antes da morte do discípulo.

    II Pedro 3

    4 – e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.

    8 – Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia.

    ———
    As desculpas pela demora do retorno de Jesus que já deixou bem claro que voltava brevemente e seus discípulos confirmam isso em várias passagens antes mais aqui http://www.bibliadocetico.net/profeci2.html bem está entre Mateus até o fim da bíblia é só procurar mais exemplos caso duvide dos anteriores.

    3)Hahaha não entende realmente o conceito de onisciência que é saber sobre o passado , pressente e futuro ao mesmo tempo hahaha. Afinal seria absurdo fazer uma criação sabendo que o único destino dela seria a aniquilação.Ele sabendo de tudo torna essa realidade imutável a ele certo ? Aprenda uma coisa onipotência , onisciência e onipresença se anulam por elas mesmas.

  4. Vixe saiu cheio de erros de português hahaha como presente com 2 s mas tudo bem se você entende metáforas que podem ser escolhidas a gosto do freguês não terá problema com isso certo ?

  5. Hehehe que coisa o Vaticano aceita a teoria da evolução ? http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u445551.shtml triste né? A maior força da sua fé discorda de você tsc tsc tsc .Um o que isso significa concordar com a evolução ? Ah sim me lembrei o nosso parentesco com os primatas. Ainda dúvida mais fontes aqui http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2008/09/16/vaticano_aceita_evolucao_mas_nao_se_desculpa_com_darwin-548243297.asp para ver que realmente fé é à gosto do freguês e a ciência sim tem mudado ela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s